Natal em janeiro: como aproveitar durante o mês?

Natal, no Rio Grande do Norte, é um destino bastante cobiçado por quem busca tranquilidade em família – ou emoção a bordo de um buggy -, belas praias, boa comida e diversão. Mas, será que vale viajar para Natal em janeiro?

Afinal, a cidade tem atrativos o ano todo, mas, como não poderia deixar de ser, é na alta temporada que recebe mais visitantes. Por isso, hoje vamos abordar um pouco sobre Natal em janeiro.

Já contamos em outros artigos o que fazer para explorar ao máximo essa cidade encantadora e seus arredores, e inclusive convidamos você a dar um passadinha para ficar por dentro sobre o que há de melhor na capital potiguar. Lá você vai encontrar tudo sobre as principais praias.

Aqui, vamos mostrar algumas outras atrações, em especial para quem deseja ir a Natal em janeiro.

O primeiro mês do ano é marcado pela festa mais tradicional da cidade – que se encerra em 6 de janeiro, feriado municipal. Além disso, é também um dos meses menos chuvosos, e por isso é praticamente garantia de dias muito bem aproveitados.

E vamos contar tudo a você!

Guia completo para transformar sua viagem para Natal em um sonho inesquecível

Apenas R$17

Clima de Natal, RN, no mês de janeiro

Tempo bom é um dos principais desejos que todo mundo que vai viajar sempre espera contar, não é mesmo? E se a viagem for de férias e para um lugar com praias maravilhosas, então, trata-se quase de uma exigência.

Quanto a isso, se a sua ideia é viajar a Natal em janeiro, pode ir sem preocupação. O mês é historicamente um dos melhores em termos de clima. Praticamente não chove por lá neste período.

Dados pluviométricos da cidade apontam que, em geral, chove não mais do que 55 milímetros ao longo do mês todo em janeiro. É menos da metade da chuva esperada para o mês de abril, por exemplo, quando começa de fato a estação das chuvas.

Se formos considerar em dias, na média não chove mais do que três dias durante todo o primeiro mês do ano na capital do Rio Grande do Norte. Portanto, é praticamente garantia de se aproveitar uma praia mesmo se você está planejando uma viagem de poucos dias.

A temperatura, claro, também é ótima para quem viaja a espera de muita praia, banho de sol e mergulhos. Na média, a temperatura de Natal em janeiro gira nos 30 °C, o que garante ótimos dias à beira do mar, sem ser de calor sufocante.

Como aproveitar Natal em janeiro? Passeios e atrações que você vai amar

Não tem muito segredo, mas a dica é: se puder, vá na primeira semana. Isso porque é quando acontece a Festa de Santos Reis, um evento de cunho religioso, mas que oferece atrações para todo mundo.

Se sua viagem for um pouco depois, porém, também não é problema. O que não faltam são opções!

Festividade

Um dos eventos mais tradicionais de Natal é a Festa de Santos Reis, que também é conhecida como Folia de Santos Reis. Ela acontece entre o fim de dezembro e vai até 6 de janeiro, que na tradição católica é o Dia de Reis.

Essa festa existe em Natal desde 1598, ano que marca a construção da Fortaleza dos Reis Magos, um dos pontos turísticos mais conhecidos da capital potiguar. Aliás, nós vamos falar um pouco mais sobre esse forte logo adiante.

A tradição dos Reis Magos se difundiu pelo Brasil a partir da cidade de Natal. Em 1753, imagens deles foram doadas à cidade pela Coroa Portuguesa, e foi então que a Festa de Santos Reis ganhou ainda mais corpo e se tornou tão tradicional.

Além de eventos religiosos, como missas especiais e outras programações, a Festa de Santo Reis conta com uma procissão até o santuário dedicado aos Reis Magos. Ela acontece em 6 de janeiro, que é feriado municipal em Natal.

Mas não pense que essa festividade se dedica apenas a devotos. Mesmo quem não professa a fé católica irá desfrutar do evento. Isso porque, ao longo dos dias em que se realiza, a Folia de Santos Reis conta com diversas atividades culturais.

Há apresentação de bandas e grupos de dança, além de outras manifestações culturais. Diversas barracas também são montadas para quem quer se deliciar com comidas locais ou fazer compras de produtos relacionados.

Ah, e o acesso ao evento é totalmente gratuito!

Assim, quem for a Natal em janeiro não pode deixar de visitar essa que é a mais tradicional festa da cidade!

Culinária

Quem viaja para lugares que não está habituado gosta de provar pratos típicos da região, não é mesmo? Pois quem for a Natal vai ter um prato cheio, com perdão do trocadilho.

A cidade é conhecida como a “terra do camarão”, então você vai encontrar pratos que levam a iguaria em todos os lugares. Outro prato muito tradicional é a caranguejada, uma ótima pedida para curtir um fim de tarde à beira mar.

Ainda na temática de pratos que têm a cara do litoral, um clássico que você vai encontrar na Praia da Redinha é a ginga com tapioca. Ginga é um peixe da espécie manjubinha. Ele é assado na brasa ou frito. O prato servido com tapioca existe há meio século e é quase um patrimônio de Natal!

Se você não é muito afeito a frutos do mar, porém, há muitas outras opções. O baião de dois é um deles. Ele é um prato típico da culinária nordestina e tem diversas variações. Não deixe de provar a potiguar!

Pratos com carne de sol também são muito comuns, e um dos mais pedidos em Natal é a paçoca de carne de sol. Trata-se de uma farofa que se faz com farinha de mandioca, carne de sol desfiada, cebola, alho, coentro e cebolinha.

O cuscuz é outro prato tradicional do nordeste, e em Natal você irá encontrar o chamado cuscuz potiguar. Experimente usá-lo como complemento ao arroz.

Por fim, mas não menos importante, chegamos à sobremesa. Não deixe de pedir a cartola! É um doce que une banana frita ou cozida em tiras, caramelizada.

As tiras são cobertas com queijo coalho e polvilhadas com açúcar mascavo e canela. Depois de levadas ao forno, são servidas com uma bola de sorvete de creme. Simplesmente imperdível!

O que visitar em Natal em janeiro?

Como as praias são um roteiro certo e os passeios de buggy dispensam novas apresentações, a seguir vamos dar três dicas de lugares que valem a pena a visita.

E o mais legal de tudo: são de graça ou, no máximo, tem preço simbólico.

Vamos conhecer?

1. Fortaleza dos Reis Magos

Também chamado de Forte dos Reis Magos, o local foi construído ainda no século 16, e é considerado o marco inicial da cidade.

O forte foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1949. Além disso, o acesso é gratuito.

Para se chegar até ele você precisará fazer uma caminhada de cerca de 500 metros através de uma passarela. Mas até isso é super agradável, porque o trajeto oferece a vista do Rio Potengi, da Praia de Genipabu e da Ponte Newton Navarro.

É nesse mesmo lugar que é possível fazer um dos esportes mais característicos de Natal: o windsurf. Isso porque se o mar agitado da Praia do Forte não é dos mais convidativos para o banho, ele é ótimo para a prática da modalidade.

2. Feirinha de Artesanato de Ponta Negra

Esta é uma das feiras mais populares entre os turistas. Seu acesso é gratuito e funciona todos os dias, até às 22h – mas é importante se informar antes de ir para saber se há eventuais mudanças em função da pandemia.

Ao todo, são cerca de 30 quiosques que oferecem as mais variadas recordações. Portanto, é lá que você irá comprar as lembranças pra família.

Na feirinha de artesanato de Ponta Negra, você encontra lembranças típicas de Natal – uma das mais tradicionais é a garrafinha com areia local -, e também pode adquirir produtos como doces, castanhas, entre outros.

Além disso, outro atrativo da feira é a possibilidade de aprender a dançar forró. Em especial aos finais de semana, o “forró ao vivo” reúne dezenas de pessoas para dançar. E mesmo quem não sabe nada se arrisca!

3. Cajueiro de Pirangi

A praia de Pirangi do Norte fica a 12 quilômetros de Natal. Lá a principal atração nem é praia em si, mas sim outro espetáculo da natureza: o maior cajueiro do mundo.

Conhecido como o Cajueiro de Pirangi, a árvore tem um perímetro de nada menos do que 500 metros, o que equivale a 70 cajueiros! Esse número superlativo também é visto em sua produção: ultrapassa 70 mil cajus na safra.

Acredita-se que um pescador de nome Luís Inácio de Oliveira plantou esse cajueiro no fim do século 19. Seu crescimento totalmente anômalo se deve a duas “falhas” genéticas.

A primeira: os galhos crescem para os lados, e não para cima, e com o peso acabam tocando o solo. Daí vem o segundo: ao tocar o solo, criam novas raízes e voltam a crescer.

Para visitar o maior cajueiro do mundo os responsáveis cobram um valor simbólico. Em 2021, ele era de apenas R$ 8.

Quanto custa viajar a Natal em Janeiro?

Além das belezas naturais e do clima agradável, Natal costuma atrair turistas por ser um destino de fácil acesso – há voos saindo de São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais, além do transporte terrestre – e com um bom custo benefício. Mas quem for a Natal em janeiro vai precisar separar um bom dinheirinho.

Como você sabe, janeiro é o período de alta temporada em todo o Brasil, e é claro que as praias do nordeste são muito procuradas. Assim, você irá gastar mais com hospedagem, transporte e em algumas atrações.

A viagem partindo de São Paulo custa a partir de R$ 600 por pessoa, mas se você comprar com um bom período de antecedência pode se dar bem com as promoções.

Quanto mais esperar pelo verão, contudo, poderá ver os preços até mesmo triplicarem. Portanto, vale para viajar a Natal o mesmo que vale para qualquer outro destino aéreo: programe-se com antecedência.

A hospedagem também é mais cara em janeiro. Uma diária para duas pessoas em hotéis de bom padrão, de três a quatro estrelas, gira em torno de R$ 300. Caso você decida ficar vários dias, vale a pena tentar negociar.

Se você for viajar por conta, vale a pena pensar no aluguel de um carro, até porque a viagem a Natal costuma incluir também roteiros a mais de 80 quilômetros da capital. Se optar por ficar apenas na cidade, prepara-se para gastar mais uns R$ 40 de Uber apenas de traslado do aeroporto para o hotel.

Outra atração característica, o passeio de buggy gira em torno de R$ 400, mas leva até quatro pessoas – ou seja, sai por R$ 100 cada um.

Além disso tudo, claro, é preciso incluir os gastos com alimentação e eventuais atrações, ainda que muitas possam ser curtidas de graça.

Infraestrutura hoteleira

Quem for à capital potiguar vai encontrar farta opção de hospedagem, mas Natal em janeiro é bastante movimentada. Por isso, a dica é tentar reservar hotéis ou pousadas o quanto antes.

Os visitantes costumam procurar hotéis em três regiões da cidade, mas uma das melhores escolhas é a região da Praia de Ponta Negra – pelo menos do ponto de visto prático.

Além de ficar a poucos metros da própria praia, essa área permite que se faça muitas coisas a pé. Bares, lojas e a principal feirinha de artesanato ficam por lá.

Em Ponta Negra há opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos. Assim, pode-se reservar quartos em hotéis de alto padrão, pousadas ou até mesmo apartamentos equipados.

Se você quiser gastar um pouco menos, outra região bastante procurada para se hospedar é a da Praia dos Artistas. Os hotéis não são tão modernos quanto os encontrados em Ponta Negra, mas a região oferece boas opções. A Praia dos Artistas fica mais próxima do centro de Natal.

Outro polo de hospedagem em Natal fica n Via Costeira. Alguns dos maiores hotéis e com mais infraestrutura fica nessa parte, mas é preciso ponderar bem o custo-benefício. Afinal, ainda que ofereça vista para o mar, a Via Costeira fica isolada e você não conseguirá fazer nada a pé.

E então, curtiu? Agora que você já sabe o que fazer em Natal em janeiro, que tal se programar desde já e aproveitar um dos destinos mais agradáveis do país?

Aproveite e veja dicas, também, do que fazer em Natal nos meses de abril e novembro. Até a próxima!

Não Transforme sua Viagem para Natal em um Pesadelo...

Guia Infalível sobre Natal com dicas de hotéis, restaurantes e todos os pontos turísticos.

Monte um Roteiro Perfeito para Natal em Apenas 60 Minutos - por apenas 17 reais